Sérgio Ferro

Publicado: janeiro 3, 2012 em Videos
Entre os pintores que mais admiro, está com toda certeza Sérgio Ferro. Há realmente algo na arte que não podemos entender, ou, pelo menos, não devemos. A pintura de Ferro é assim, sempre me pareceu um pouco transgressora, por sua suavidade entrecortada por tudo, tanto largas pinceladas carregadas, a cor da tinta, objetos pintados à trompe l’oeil saltando da tela ou mesmo usando os atalhos da colagem e a assemblagem. Ele está ativando nossa percepção sempre, com muita elegância e domínio plástico. Não me furto de dizer que foi uma grande influência, mesmo que não pareça…. não parece mesmo, mas eu tive a sorte de conhecê-lo rapidamente e receber seus conselhos, ai de mim que nunca os segui…

ImageImageImageImageImageImageImageImageImage

 

Sérgio Ferro

 

Sérgio Ferro Pereira (Curitiba PR 1938). Pintor, desenhista, arquiteto e professor. Forma-se arquiteto pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU/USP, em 1962. Três anos depois, faz pós-graduação em museologia e evolução urbana, na mesma faculdade. Em 1965, participa da organização da mostra Opinião 65, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – MAM/RJ, onde também expõe. Cursa semiologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, em 1966. Na década de 1960, integra com Flávio Império (1935 – 1985) e Rodrigo Lèfevre (1938 – 1984) o Grupo Arquitetura Nova. É professor da Escola de Formação Superior de Desenho, entre 1962 e 1968; do curso de história da arte e de estética da FAU/USP, de 1962 a 1970; e do curso de arquitetura da Universidade de Brasília – UnB, entre 1969 e 1970. Por causa da ditadura militar no Brasil, muda-se para a França, em 1972. De 1972 a 2003, leciona na École Nationale Supérieure d’Architecture de Grenoble [Escola Nacional Superior de Arquitetura de Grenoble], na Suíça, e, na mesma universidade, funda o laboratório Dessin/Chantier [desenho/canteiro] e o dirige de 1982 a 1997. Realiza pinturas figurativas, inspirando-se principalmente em figuras presentes nos desenhos e pinturas de Michelangelo Buonarroti (1475 – 1564). Recebe o prêmio de melhor pintor da Associação Paulista de Críticos de Arte – APCA, em 1987.  Publica, entre outros, os livros O Canteiro e o Desenho, 1979, Michelangelo: Notas por Sérgio Ferro, 1981, e Michel-Angel, Architecte et Sculpteur, 1998. Realiza murais para várias instituições na França e no Brasil, como o Memorial da América Latina, em 1990, e o Memorial de Curitiba, em 1996 e em 2002.

Fonte Itaú Cultura

 

Anúncios
comentários
  1. Ferreira disse:

    D + seu blog !
    Também faço meus borrões http://atelier-ferreira.blogspot.com !
    Abçs
    Ferreira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s